Dia Internacional da Mulher – uma história de lutas e conquistas

Mesa de abertura do evento

Esse foi o tema tratado na palestra realizada no último dia 8 de março, proferida pela professora Marinete dos Santos Silva, da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) e coordenadora do Atelier de Estudos de Gênero (ATEGEN), grupo de pesquisa vinculado àquela Universidade. O evento foi uma promoção conjunta dos Departamentos de Ciências Jurídicas, Filosofia e Ciências Humanas e Ciências da Educação da Universidade Estadual de Santa Cruz, com o apoio do Serviço de Referência dos Direitos da Mulher (SER-Mulher), projeto de extensão do Departamento de Ciências Jurídicas que tem apoio financeiro do MEC/PROEXT.

O evento contou com a presença da Reitora da UESC, Profa. Adélia Pinheiro, e de diversas professoras da Universidade, além de representantes de movimentos sociais, como o Coletivo da Marcha das Vadias/Itabuna, Coletivo LGBT da UESC e Rede de Mulheres Pescadoras e Marisqueiras do Sul da Bahia.

Em sua intervenção, a professora Marinete fez uma abordagem atual da situação das mulheres no Brasil e no mundo, relatando casos

Profa. Marinete dos Santos Silva
Profa. Marinete dos Santos Silva

práticos vivenciados pelos pesquisadores do ATEGEN, que demonstram ainda a existência de situações de subserviência feminina em relação ao masculino, oriundas principalmente de uma situação de dependência, seja ela física, psicológica ou material. Ressaltou também que a situação de desigualdade, principalmente física, sempre faz com que a mulher saia perdendo nos embates com o homem. “A mulher precisa ser inteligente, senão acaba levando a pior: pode apanhar ou mesmo ser morta pelo companheiro”. A solução para o problema? “Empoderamento feminino”, defende a professora. Existe uma clara relação de poder entre gêneros, e somente com a aquisição de poder a mulher pode se tornar autônoma e acabar com a relação de dependência.

Após a exposição, seguiu-se um rico debate entre os presentes, inclusive com depoimentos de mulheres que conseguiram se libertar de situação de dependência a partir de uma tomada de posição rumo ao seu empoderamento. Ao final, mostrou-se claro o propósito de se firmar parcerias entre os dois grupos de pesquisa para projetos futuros.

Acesse o album de fotos aqui.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.